Sorvete napolitano

Queria saber o nome de todas as estrelas. Conhecer cada detalhe que torna única cada uma delas. Chamá-las pelo nome, criar apelidos.

Não conheço nenhuma.

Quando penso nas estrelas apenas um nome me vem a mente. O mesmo acontece com as flores. Só com as mais belas. É ele uma flor.

Odeio essa sensação!

Mas, acontece que realmente as semelhanças são tantas, que é impossível não lembrar. O brilho, as cores, os perfumes… São todos ele.

Meu medo era que fosse algum sentimento, amor, sei lá. Ontem, numa conversa, percebi que o problema não é que seja amor. Não é amor. Estou encantada, é isso.

Vejo nele algo que sempre busquei nas criaturas. Que nele irradia, naturalmente. Ele não entende. Também nunca disse isso a ele. Não direi. Certas coisas é melhor que fiquem assim, veladas.

O que mais me encanta é o fato de nem mesmo lembrar-me de sua voz. Como pode isso? Como posso estar assim inclinada a investir o tempo que me for requisitado em alguém que nem me lembro da  voz.

Estou confusa. Confusamente encantada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s