Do(i)s sentimentos

De que me valem todas essas palavras se o que sinto é indizível. Nem mesmo suspiros, onomatopeias, gestos, olhares, nada, nada é capaz de representar o que sinto.

Queria ter a habilidade de um engenheiro para que pudesse criar engenhoca capaz de decifrar, decodificar cada uma dessas sensações que tenho aqui e que não encontro semelhantes nas dos outros seres.

Pode soar um tanto quanto presunçosa essa minha fala, mas juro que tentei. Tentei sentir o que os outros me diziam ser amor, que diziam ser ódio, nem mesmo a dor que por muitos me foi descrita jamais senti.

Temo ser diferente. Temo que descubram essa minha inabilidade de sentir.

Sinto algo. Duas coisas. Dois sentimentos.

Medo. Esse sempre me pareceu o mais lógico dos sentimentos, o que mais facilmente conseguia imaginar-se sentindo. Agora, sinto.

Paz. É, pode parecer estranho, mas ao mesmo tempo em que sou afetada por isso que decidi chamar de medo, sinto uma imensa paz. Por quê?

Simplesmente porque consegui perceber que não há duas pessoas que conseguem sentir a mesma coisa. Tudo o que fazemos é fingir sentir o mesmo que os outros. Essa pseudo-empatia é o que faz o mundo girar. Torna os seres humanos próximos, afáveis.

E, assim, o teatrinho vai se perpetuando e eu aqui, com meus dois únicos sentimentos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s