Toda a Poesia Contida sobre o Lobo Temporal

Todos aqueles homens que se sentaram ao seu lado durante aquela tarde lhe pareciam definitivamente amáveis. Talvez fosse culpa da chegada da primavera, talvez fosse a notícia que recebera do doutor horas antes. Um belo tumor poderia ser capaz de criar uma nova perspectiva nas pessoas. Passou umas horas inteiras sentada naquele banco da praça, pensando sobre como seria mais intensa a vida de todos, se estivessem com um cronômetro alojado sobre seus lobos temporais.

Suspirou profundamente. A doce dor que palpitava em seu peito era sintoma explícito de sua vontade de não querer perder tudo o que ainda estava por vir, o que ainda seria inventado, os programas de tv que não estreariam a tempo, as músicas de seu cantor preferido que não ouviria, das brigas e do gosto de jiló que nunca experimentou. Não gostava de jiló, mesmo sem ter jamais provado. Era burra, e agora  estava certa disto. Deixou que a vida passasse e ela passou. Agora, seu prazo de validade estava prestes a vencer e não havia reversão possível, não existia antídoto e nem retardante para o tempo.

Voltou-se para a moça que se sentou ao seu lado e perguntou as horas. A jovem rapidamente respondeu, sem voltar o rosto para a requerente: “quinze para as cinco”. Sempre achou interessante a precisão com que a humanidade conseguiu fragmentar nossa existência a partir de alguns números. Mas sentia falta das não-horas, de instantes que não pudessem ser representados por minutos ou segundos. O tempo aprisiona nossos corpos ao teu bel prazer. Escravizados, damos total legitimidade a ele, erguemos a chibata quando, por tamanha força imposta, ela rebate de nossas costa e cai perto de nossas faces. A liberdade é o terror, é ponte para terreno desconhecido, é paraíso, limbo e inferno concomitantemente.

Agradeceu o gesto de indelicadeza da moça – afinal, falar ao outro olhando nos olhos deveria ser tomado como bons modos – e levantou-se. Seu peito doía cada vez mais forte e tinha certeza de que apenas um remédio era suficientemente eficaz contra isso. Ligou para seu melhor desafeto e não hesitou: “Que tal dividir um prato de jiló frito?”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s