E se fosse ficção…

Era domingo, dia ensolarado, o céu claro parecia prever a noite sombria que lhe sucederia. Invadiu cada espaço no qual podia entrar, com ou sem permissão, tentava iluminar a mente daquelas pessoas.

O sol ainda não havia partido, mas já era noite, e era uma noite triste, fria, pelo menos para os descontentes. E do descontentamento poderiam surgir revoltas, manifestos, mas os gritos eram mudos, não havia maneira possível de ouvir àqueles que iriam revirar na cama naquela e nas próximas 1460 noites, os que não dormiriam em paz.

Paz. Em um cenário confuso, de tantas inglórias, esta é apenas uma palavra, não um estado. Seria bom despertar pela manhã e sentir-se em um mundo onde as pessoas sabem exatamente toda a verdade, seja ela agradável ou não, um mundo onde as mentiras não fossem recebidas tão calorosamente, que o antigo e falho não conseguisse se restabelecer sob aplausos e ovações.

Sei hoje, mas que ontem e que amanhã (espero), que este mundo é tão distante quanto as estrelas que julgo pequenas porque não posso enxergar com nitidez. Atribuo pequenez aos que aplaudem, assim como ao aplaudido e, claro, a mim. Somos pequenos pelo conforto estúpido em nossas posições. Quem me dera fosse tudo diferente, fosse tudo ficção.

Não é. A realidade é o que dá o tom dramático, se fosse de chorar, eu choraria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s